O meu estilo

Se, neste momento, tivesse de ilustrar o meu estilo, esta seria a fotografia que melhor o definiria. Pelo branco da saia Bimba e Lola, que ainda por cima é super quentinha e maleável e confortável, mas também pelo comprimento midi, que vem mesmo a calhar para poder usar sapatilhas durante o inverno (não tenho nada contra, mas sou friorenta, por isso recorri também a umas collants cardadas e quentinhas da Calzedonia).

Já tinha usado a mesma saia com uns botins pretos e sem o casaco de ganga, mas alguma coisa não batia certo. Não consegui a combinação que me pareceu perfeita por artes mágicas. Foi preciso ir-me vestindo, num processo de tentativa e erro até sentir aquele click, até achar "é isto!. Não consegui idealizar a combinação na minha cabeça, apenas a alcancei depois de várias tentativas "deixa-ver-com-esta-camisola-e-agora-com-aquelas-botas-não-é-isto-talvez-faltem-as-sapatilhas-assim-é-que-é-esta-sou-mesmo-eu.

Com a saia e as sapatilhas, vesti uma camisola branca de lã, um casaco de ganga da Zara e uma canadiana cinzenta escura com forro azul da Nümph, no mesmo tom das sapatilhas. Como estava mesmo frio, durante a manhã, e porque ando com a mania de que preciso de mais rosa claro na minha vida, usei uma gola nesse tom. 

Anestesia geral

Fui à urgência do hospital a pensar que talvez estivesse a exagerar. Tinha dores, mas nada agúdo ou súbito. A dor foi crescendo devagarinho, ao longo de três dias, estava a deixar-me num permanente estado de nervos e naquele sábado comecei a achá-la cada vez mais intolerável.

Fui à urgência por causa das dores, mas sem grande convicção. Imaginei que fosse mandada para casa por não ser um caso urgente. No limite, talvez me receitassem um antibiótico. Ou talvez cedessem a fazer-me uma pequena intervenção. Fui pensando nisto tudo enquanto esperava ser atendida, numa fila de cadeiras duras onde se foi sentar uma senhora muito nervosa, a julgar pela veemência com que abanava a perna (e as cadeiras).

Acabei deitada numa maca, a aguardar vaga no bloco para uma operação com anestesia geral. Senti-me no meio da "Anatomia de Grey", mas num daqueles dias em que acontece um desastre qualquer e o hospital fica tão cheio que nem há espaço para manobrar as macas e evitar encontrões contra a maca da desgraçada que teve de se despir e enfiar numa bata (o resto da malta, apesar de ter pulseiras com cores mais urgentes, está vestida e decente) porque tem um abcesso perianal subfissurário e pode ser levada para o bloco a qualquer momento.

Há sempre gente a entrar e a sair, e um enfermeiro incansável, apenas um, para acorrer às urgências de Pequena Cirurgia e Ortopedia. Os médicos são muitos, quase todos mais novos do que eu. Nem sou velha, tenho 38, e o rabo com uma bola de porcaria que pode ter sido causado por algo tão simples e aparentemente banal como um pelo encravado. Olho para eles nos olhos, eles nem por isso.

Parecem-me todos umas crianças, os médicos, com exceção de um, mais velho, que se desloca com vaidade e pretensão e é seguido por meia dúzia de miúdas de bata branca e ar compenetrado. 

Foi toda uma aventura. Só saí do hospital na segunda-feira, só regressei ao trabalho uma semana e meia depois. Mantenho ainda a sensação de que anestesiada já estava antes. E de que acabarei por ficar novamente, se não me cuidar e me deixar enredar nos pseudo-problemas do dia-a-dia. 

É por estas e por outras que não gosto de Janeiro

Não basta ser o mês mais interminável do ano, apesar de ter os mesmos 31 dias de outros meses do ano, agora recebo uma fatura da luz de 112 euros e nem sequer liguei nenhum aquecedor... será que ando a lavar demasiada roupa?

Tamanhos e saldos

Na Lefties da rua de Cedofeita já só há calças de ganga escura para rapazes em saldo no tamanho 7/8. Vários pares, talvez uma dúzia, todos do mesmo tamanho. Não consigo perceber este fenómeno, que deixa para os saldos inúmeras peças do mesmo tamanho, raramente o que eu quero comprar. Desta vez até as trouxe, mas não estou convencida: as calças que o meu filho usa são 7/8 e estão a ficar pequenas, aquelas parecem maiores, deve ser ilusão, ou então as de casa mingaram. 

Estava decidida a descobrir a diferença entre skinny e slim fit, mas não consegui: eram todas modelo skinny, incluindo as da nova coleção, essas já com outros tamanhos, nomeadamente o 9/10. São 12 centímetros de diferença entre um tamanho e outro e - também não percebo isto - não há marca que se decida a fazer um tamanho intermédio? 

Voltando ao skinny e ao slim, queria perceber na loja, mas tive de procurar aqui. Parece que as skinny são as mais apertadinhas. Fiquei ainda com mais dúvidas sobre as calças do miúdo: não só me parecem maiores do que as que ele tem em casa como me parecem um modelo "normal/regular". 

Tudo será esclarecido quando lhas vestir e perceber se ficam bem ou mal, independentemente do modelo. Esta conversa só existe, aliás, porque gosto mais de o ver com calças de ganga estreitas (ele, aos sete anos, nunca se queixou) e só ocupo a minha cabeça com estas coisas para reduzir as possibilidades de errar em compras feitas a olho (ser mãe tornou-me especialista).